segunda-feira, 4 de julho de 2011

Águas Turbulentas



"O que é meu eu deixo livre, se voltar é porque é meu, se não voltar é porque nunca me pertenceu."
Exupéry




"Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos,
resta-nos um último recurso: não fazer mais nada.
Por isso, digo, quando não obtivermos o amor,
o afeto ou a ternura que havíamos solicitado,
melhor será desistirmos e procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram.
Não fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente,
mas nunca por força de imposição.
Às vezes, é inútil esforçar-se demais, nada se consegue;
outras vezes, nada damos e o amor se rende aos nossos pés.
Os sentimentos são sempre uma surpresa.
Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor concedido.
Quase sempre amamos a quem nos ama mal, e desprezamos quem melhor nos quer.
Assim, repito, quando tivermos feito tudo para conseguir um amor, e falhado,
resta-nos um só caminho...
o de mais nada fazer."

Clarice Lispector



Águas Turbulentas

"Muitas pessoas preferem a segurança de um "porto-seguro" à incerteza de navegar em "águas desconhecidas".
Aos que se arriscam impensáveis tesouros podem ser revelados nas águas mais turbulentas, que nem a segurança ou a estabilidade do porto mais seguro podem compensar;
Aos que ficam restará apenas um eterno pesar pelo risco não corrido."

Gisa Lima

Nenhum comentário:

"pelo poder da verdade, eu, enquanto vivo, conquistei o universo"

Related Posts with Thumbnails

GREENPEACE